Notícias Paraná

28/01/12 - 10h27

Curitiba requer nova arborização; Esta semana uma árvore caiu e matou uma pessoa

Capital tem 300 mil árvores margeando ruas e avenidas, muitas são grandes e velhas. Anteontem, uma delas caiu no Rebouças e matou uma pessoa
Mariana Scoz/Gazeta do Povo


Árvore que caiu anteontem causou a morte de um motorista que passava pela Avenida Silva Jardim
A queda de uma árvore de grande porte no bairro Rebouças, em Curitiba, causando a morte de um motorista que passava pelo local, evidencia a necessidade de uma rearborização da capital e a retirada de árvores antigas e grandes demais para a paisagem viária. Uma razão para isso seria que, mesmo com vistorias anuais, a própria Secretaria Muni­cipal de Meio Ambiente (SMMA) afirma não ter como prever a queda das árvores.

Segundo a SMMA, são cerca de 300 mil unidades de arborização viária na cidade, mas não se tem um levantamento de quantas são de grande porte. As árvores maiores, como tipuanas, angicos e monjoleiros, foram plantadas na década de 1970 e não são mais usadas hoje em dia. Ruas de grande movimento, como a Silva Jardim, Getúlio Vargas, Iguaçu, México e Victor Ferreira do Amaral, são as que concentram a maior parte das árvores com mais de 40 anos.

O superintendente de obras e serviços da SMMA, Sérgio Tocchio, afirma que há um plano de arborização pública. “Nós fazemos um diagnóstico dessas árvores, para levantar a idade, condições sanitárias e se a espécie é adequada para a região. De lá, partimos ou para a poda ou para a remoção e substituição”, explica. A substituição é gradual e por enquanto passou apenas nas regiões do Sítio Cercado e Boqueirão.

Os 120 funcionários, divididos em 15 equipes, fazem em média 3.500 podas por mês. Entre elas estão as podas programadas e as de emergência, seja por pedidos pelo 156 ou por causa de perigo iminente. Somente no ano passado, 13 mil solicitações foram atendidas pela SMMA.

Instabilidade

Para o professor de Botânica da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) Luiz Antônio Acra, a instabilidade dessas árvores vem de diversos fatores. “Primeiro, elas não têm o apoio que teriam no meio das florestas e por serem mais antigas já há uma instabilidade. Outra razão é o tipo de poda, que tira a estabilidade delas”, explica. A poda dessas árvores é feita em formato de “V” para não afetar os cabos de luz.

Acra também afirma que a troca dessas árvores de grande porte por diversas menores ajudam na eficiência da arborização. “Essas árvores perdem muitas folhas e não são eficazes como sombra ou reguladoras de temperatura. Além disso, elas causam muita sujeira e exigem mais manutenção”, conta. Espécies como o dedaleiro, os ipês e árvores frutíferas como o araçá são algumas das opções para substituição, segundo o botânico.

Comentários

AO VIVO
AM
17:00 às 17:30 A POLÍCIA É NOTÍCIA Tadeu Stefaniak e Rose Harmuch
FM
17:00 às 18:55 Tarde Campeira Amilton Ferreira