Notícias Irati e Região

16/08/11 - 11h06 - atualizada em 21/08/11 às 19h18

Diretor da Ceasa descarta criação de Mini Posto neste momento e orienta produtores a se cadastrarem diretamente na Capital

O maior problema para implantação de um posto na região é a proximidade com a capital, alega Eduardo.
Marli Traple


Na sexta-feira, dia 12, o diretor Agro Comercial da CEASA/PR – Centrais de Abastecimento do Paraná S.A., Eduardo Pimentel Slavieiro, esteve em Irati. Ele acompanhou a visita do governador Beto Richa a Prudentópolis, durante a abertura da Festa do Feijão e aproveitou para passar em Irati para uma visita de cortesia.

O diretor Agro Comercial da CEASA esteve em Irati e falou sobre alternativas de comercialização de produtos na região
Eduardo esteve na Rádio Najuá e falou sobre a possibilidade de implantação de um Mini Posto da Ceasa na região, levantada pelo prefeito de Rio Azul, Vicente Solda, durante o discurso de recondução ao cargo no início do mês. Pimentel explicou que a nova diretoria conhece a demanda existente em algumas regiões, mas existem algumas dificuldades para que isso ocorra.

Especificamente se referindo a Irati, o maior problema é a proximidade da Capital, já que o órgão atende com boa distribuição os municípios localizados dentro de um raio de 300 km, além do alto custo de investimento que é dividido em o município, para que o Estado não tenha que arcar sozinho. ”Não é impossível, mas ainda não está em fase de estudos, e deve ser muito bem pensado porque depende de ser estruturado com boas parcerias para que funcione bem”, explicou o diretor da Ceasa, ressaltando que a cidade de Ponta Grossa já está buscando a instalação de um posto. Eduardo revela que já foram realizadas algumas reuniões entre a prefeitura e empresas privadas, mas a dificuldade é a mesma de outros municípios que estão muito próximos – Ponta Grossa está localizada a 100 km de distância de Curitiba e 250 km de Londrina, cidade que também possui um posto da Ceasa. “Por enquanto, o que existe são apenas estudos técnicos, para que não se crie expectativa antes de uma boa análise”.

Com relação ao incremento do comércio dos produtos hortifrúti de Irati e região, o diretor explicou que o mercado pode ser ampliado através de contato direto do produtor com o posto da Ceasa em Curitiba, com total independência. A área do mercado produtor da Ceasa de Curitiba atende 300 produtores por dia, com 4.500 produtores cadastrados. Para se cadastrar, o produtor paga uma taxa simbólica. “O produtor que tiver interesse em comercializar o seu produto em Curitiba direto com os supermercados, restaurantes e feiras através da Ceasa, com segurança e com um mercado mais aberto pode se cadastrar direto de forma individual, e iniciar as suas vendas” – finaliza Eduardo Pimentel Slavieiro.

Eduardo falou também sobre a política de abastecimento social do Ceasa, uma alternativa que pode ajudar os pequenos municípios da região. Através do Banco de Alimentos, todos os produtos que não são comercializados e que se mantém em boas condições de consumo são distribuídos para entidades sociais cadastradas no programa.

Outro serviço é o Armazém da Família, reativado em julho na Região Metropolitana de Curitiba e no litoral paranaense, que poderá ser expandido para as cidades do interior. Dentro do Armazém, a comercialização de produtos de primeira necessidade é 40% mais barata que no supermercado, aumentando o poder de compra da classe mais carente. “A reativação deste programa ainda está no início, são apenas três unidades em Guaraqueçaba, uma em Serro Azul, e mais cinco que estão sendo implantadas na região metropolitana [de Curitiba], com o apoio do Governo Federal”, conta Eduardo, que não descarta a possibilidade de incluir Irati junto com outras cidades a partir de 2012.


Comentários

AO VIVO
FM
23:00 às 23:59 Najuá Night Club Programação Najuá