Notícias Irati e Região

28/10/17 - 08h33 - atualizada em 01/05/18 às 13h04

Com migração para o FM, Najuá AM desliga transmissores

Desligamento representa um divisor de águas na história da emissora, que se transformou em SuperNajuá FM, sintonizada em 92,5 MHz

Edilson Kernicki 

Com 29 anos de serviços prestados a Najuá AM, João Geraldo Mitz (Magoo) foi responsável por desligar os transmissores
O desligamento dos transmissores da Najuá AM, no dia 15 de setembro de 2017, representa um divisor de águas na história da emissora, que se transformou em uma rádio FM. Ao migrar da Amplitude Modulada (AM) para a Frequência Modulada (FM) saiu de cena a estação Najuá AM 990 kHz e entrou no ar a Super Najuá FM 92,5 MHz. A nova emissora, porém, manteve sua marca essencial: a informação. No ar há 39 anos, o programa “Meio Dia em Notícias”, carro-chefe da programação, permanece na grade com a liderança na audiência em toda a região. 

Com a migração, o Meio Dia em Notícias deixou de ser transmitido em cadeia simultânea pelas duas emissoras e passou a fazer parte da programação da Super Najuá. Na Najuá FM 106,9 FM, houve a estreia de novidades, como o programa “In Pauta”, que debate temas da atualidade, e o programa de humor “Butinada”. 

A emoção tomou conta da despedida definitiva da Najuá AM, depois de 39 anos, quatro meses e 14 dias consecutivos no ar. A diretora das emissoras Najuá e filha do fundador Nagib Harmuch, Jussara Harmuch, delegou a um dos funcionários mais antigos ainda em atividade, o operador de áudio João Geraldo Mitz, o “Magoo”, a incumbência de desligar o transmissor, virando, assim, a página de uma história coroada de êxitos. 

PUBLICIDADE
Mitz, que dedicou 29 anos de trabalho a serviço da Najuá AM, agradeceu a Jussara pela honra de fazer parte deste momento histórico. “Meu muito obrigado à Jussara, por me conceder a honra de desligar o transmissor, algo que fizemos tantas e tantas vezes aqui, de madrugada. Sempre que dava algum problema, estávamos aqui. Vou fazer esta tarefa neste momento. Vamos proceder como fazíamos toda noite, às 10h da noite. Neste momento, a ZYJ 293, 990 kHz, Rádio Najuá de Irati Ltda., com estúdios situados à Rua Benjamin Constant, 440, e transmissores situados à Avenida Vicente Machado, encerra suas transmissões”, disse o operador de áudio, ao desligar o transmissor pela última vez. 

O desligamento do transmissor AM é uma obrigação estipulada no decreto 8139/2013,que regulamenta o processo de migração. Conforme o decreto, depois de migrada a emissora, o transmissor da AM possui um prazo para ser desligado e a emissora deve devolver à União os canais utilizados para a execução do serviço de radiodifusão sonora em ondas médias, que são concessões públicas. 

Confira o vídeo no momento que os transmissores foram desligados


Migração de AM para FM 

O processo de migração das emissoras AM para FM foi iniciado em 7 de novembro de 2013, quando a ex-presidente Dilma Rousseff assinou o decreto que permite a migração. O governo federal propôs a migração dessas estações para os canais 5 e 6 de TV analógica, o que se tornou viável tão logo o sinal digital de TV passou a ser implantado, com o desligamento gradativo do sinal analógico de TV, em todo o território nacional. 

Assim, as estações AM passam a ocupar a faixa de frequência adjacente à das rádios FM. Operarão nesta faixa, denominada de estendida, que vai de 76,1 MHz até 87,5 MHz, as emissoras dos locais onde o dial atual não comporta todas as emissoras existentes para a migração. Até então, as emissoras de rádio em FM utilizam canais entre 87,7 MHz até 107,9 FM. Das 1.781 emissoras locais que atuam na faixa AM, 1.439 pediram a migração para a FM, destas, 948 rádios já poderiam fazer a migração em 2016, mas 438 emissoras teriam de aguardar a liberação do espaço que vai ocorrer com a digitalização da TV no País. 

Transmissores da Rádio Najuá AM foram desligados no dia 15 de setembro de 2017. Com isso, a emissora passou a operar em FM 92,5
De acordo com o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), Gilberto Kassab, a faixa FM apresenta vantagens se comparada à AM, entre elas a melhor qualidade de áudio, redução de custos de operação e manutenção e integração com aparelhos digitais, como tablets e celulares. 

O crescimento urbano fez com o que o sinal de rádio AM passasse a sofrer uma série de interferências, o que representou queda de audiência e faturamento para emissoras que operam em ondas médias. Conforme o diretor-geral da Abert, Luís Roberto Antonik, uma rádio AM fatura com publicidade cerca de 10% do que ganha uma emissora FM. Concorre para isso também o fato de que as emissoras FM concentram 80% da audiência atual, ao passo que as AMs ficam com 20%. 

Além disso, grande parte dos aparelhos digitais fabricados hoje – como players de MP3, smartphones e tablets, por exemplo – possuem apenas a opção de recepção em FM. O aumento no uso de eletrodomésticos dentro dos lares e os sistemas de fiação de companhias elétricas e de telefonia causam ruídos nas transmissões, indicam profissionais do rádio. 

Estima-se que a migração de emissoras abranja um universo de 25 milhões de ouvintes em todo o Brasil.

Três anos depois da assinatura do decreto que iniciou o processo de migração das emissoras AM, o presidente da República, Michel Temer (PMDB), assinou no dia 7 de novembro de 2016, um termo aditivo que autorizou a migração de 244 rádios AM para FM. A data escolhida para a assinatura é significativa: nela, se comemora oficialmente, desde 2006, o Dia do Radialista – data natalícia do compositor, músico e radialista Ary Barroso. 

Conteúdo da antiga AM permanece o mesmo na Super Najuá

A diretora da Rádio Najuá, Jussara Harmuch, assinou o contrato da migração naquela mesma ocasião, fazendo parte do grupo das primeiras 244 emissoras AM brasileiras a entrar nesse processo. Desde então, se iniciou uma série de fases para adaptar a frequência, com a aquisição de novos equipamentos, torre e transmissores e testes, pois o equipamento adotado no AM não serve para operar em FM.

Em agosto de 2017, a Najuá AM obteve a autorização para migrar. Bem antes disso ela já estava pronta para entrar no ar. Com um novo nome – Super Najuá FM – mas com a já consolidada grade de programação, algo que a diferencia das demais: grande parte das emissoras migrantes planejam alterar o estilo. A Najuá AM vai continuar com seu estilo próprio, no ar desde 1978, agora em FM com a SuperNajuá 92,5, pegando mais longe. O acesso da emissora pelo dispositivo celular é outra novidade, pelo aplicativo de rádio FM, sem consumir internet e gastando pouca bateria. Classificada como A2, vai pegar mais longe que a outra emissora que pertence aos mesmos donos, a Najuá FM 106,9 que é classe A3. 

Super Najuá FM 92,5 e Najuá FM 106,9 se diferenciam entre si pelo estilo de programação. A grade informativa é a marca central da Super Najuá, ao passo que a Najuá FM tem sua programação mais voltada ao entretenimento e aos sucessos musicais. Nem por isso a Super Najuá deixa de tocar músicas, e muito menos a Najuá deixa de ser informativa. O que muda entre elas é a dosagem e a linguagem. 

A forma como a notícia vai ao ar sempre foi uma grande preocupação. Boletins de hora em hora “Najuá Notícias”, noticiários mais breves como “Café com Notícias”, na 106,9; “Plantão de Notícias” e “Conexão Geral”, pela Super 92,5, além do mais completo informativo da região, com duas horas de duração, que envolve uma grande equipe em sua elaboração, o “Meio Dia em Notícias”. 

Com uma ampla cobertura dos fatos locais e regionais, tudo que vai ao ar é registrado no site www.radionajua.com.br. A quantidade de acessos do site e das redes sociais é mensurada através do Google e do Facebook. “Tudo que se fala da Najuá pode ser visto e comprovado, tenho orgulho disso”, declara a diretora Jussara Harmuch.

PUBLICIDADE

Comentários

AO VIVO
AM
15:10 às 17:00 Show da Tarde Edson Luiz
FM
16:30 às 17:00 As 7 Mais do Site Najuá As 7 Mais do Site Najuá